➸ Mulher Vermelha ♥

Cada vez que escrevo um bom poema é mais uma moleta que me faz seguir em frente.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Começar, 30.03.17

Tem dias que dói mais, tem dias que nem tanto. Mas eu ainda sinto falta, ainda acredito, e ainda espero, no fundo do meu ser, que o amor supere tudo isso. Seja ele qual for. Tem sido dias complicados, essa coisa de abrir mão de uma história inteira e começar outra do zero, não sei mais. Tem sido desafiador, começar de novo, em outro lugar, com outra pessoa, de outro jeito. Tem sido dolorido, dar adeus à cada parte boa de mim que existiu com ele. Fotos, palavras, roupas, momentos. Tudo que existia dele, em mim, indo embora. Eu achei que era difícil recomeçar, reconstruir, reabilitar. Mas é ainda mais difícil começar outra vez, sem ele.

rot

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Minhas meninas ♥

Vocês estão aqui sempre na hora certa. 6 anos de um amor indestrutível. Obrigada por serem o que são e mostrarem que algumas coisas ficam, sim. Eu ainda escrevo como no começo, ainda amo, e ainda bebo. Já não tenho tantos preconceitos, minha orientação sexual mudou, o número da minha calça, também. Mas vocês ainda aparecem na hora certa, e no momento certo, como sempre. Me mostram que não sou a única vivendo essa confusão toda, e sentindo tudo isso ao mesmo tempo. Me fazem entender que o tempo passa, que coisas boas vem, e que às vezes, aquele amor louco permanece. Vocês são o exemplo do amadurecimento na vida minha vida, ver como éramos, o que passamos, os amores, as dificuldades, as escolhas, e ver que hoje, apesar dos arrependimentos, ainda seguimos em frente, me fortalece. Branquela, obrigada por ser exemplo de persistência, de fé, e de alguém que apesar de toda confusão, insiste no que sente e vai até o fim. Preta, saber que não estou sozinha nesse arrependimento do passado, e nesse amor que sentimos dentro de nós, sem esperança, me faz sentir menos só. Somos absolutamente diferentes, mas incrivelmente iguais. Eu amo vocês, pra sempre.

Mulher Vermelha

domingo, 21 de maio de 2017

Uma carta aos desavisados,

"Vamo ver o jogo juntos?" "Quer uma companhia?" "Você não pode querer ficar sozinha agora." "Mas  porque você não namora?" "Por que não fica com ele?" Meus amores, a graça do domingo chuvoso é justamente ter o sofá e a cama só pra mim. Eu não quero uma companhia não, pra isso eu tenho 9 membros na minha família. Eu quero alguém que seja comigo, que faça amor no sofá, na cama e no banho. Que beba uma caixa de cerveja comigo numa sexta agitada, e que tome o nescau quentinho nas sextas de cansaço. Eu quero alguém que faça o almoço, pensando no jantar e no quanto nosso sono será prazeroso depois de uma tarde de sexo. Alguém que entenda a rotina, e o quanto é importante estar nela, sem pertencer à ela. Alguém que entenda o valor do trabalho, e das horas livres entre ele. Alguém que entenda a minha jornada tripla e não me encha o saco de tédio. Eu ainda quero ele, ainda amo ele. E ele não está aqui, portanto, eu não estou disponível pra esse fingimento tradicional de vocês. Não estou necessitada de atenção, não bebo por carência, tão pouco preciso dessas necessidades desesperadas de ter um relacionamento. Eu só preciso de férias, de umas garrafas de vinho, e de alguém que supra a falta que ele faz. Sejam felizes, keep away.

R.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Um grande amor

"Acredito em um grande amor.
Falo e paquero como se não acreditasse.
Não tenho expectativas frívolas de amor romântico. Não imagino que eu vá me apaixonar perdidamente por alguém. Sou uma daquelas pessoas raras, possivelmente um pouco cínicas devido à experiência vivida, que de fato curte a cultura dos encontros sexuais casuais e gosta de viver em uma época em que a monogamia não é necessariamente a regra generalizada.
Mas acredito no grande amor, porque já tive isso.
Já tive aquele amor imenso. O amor que consome tudo. O amor do tipo “não acredito que isto existe na esfera física deste planeta”.
O tipo de amor que explode em um fogo incontrolável, depois vira brasas ardentes e continua a arder quentinho e confortável por anos. O tipo de amor sobre o qual se escrevem romances e compõem sinfonias. O tipo de amor que lhe ensina mais do que você jamais pensou que pudesse aprender e lhe devolve infinitamente mais do que tira de você.
É o amor do tipo “o grande amor de sua vida”.
E acredita em mim, esse amor funciona assim:
Se você tem sorte, você conhece o amor de sua vida. Você tem a chance de ficar com ele, aprender com ele, entregar-se inteiramente a ele e deixar que sua influência o transforme de maneiras insondáveis. É uma experiência diferente de qualquer outra coisa que podemos ter neste mundo.
Mas o que os contos de fadas não nos dizem é o seguinte: às vezes conhecemos o amor de nossa vida, mas não podemos ficar com ele.
Não podemos nos casar com a pessoa, passar nossa vida ao seu lado, segurar sua mão no seu leito de morte depois de uma vida vivida bem e vivida juntos.
Nem sempre conseguimos ficar com o amor de nossa vida, porque, no mundo real, o amor não conquista tudo. Ele não resolve diferenças irreparáveis, não triunfa sobre doenças, não lança uma ponte sobre divergências religiosas e não nos salva de nós mesmos quando nos corrompemos.
Nem sempre conseguimos ficar com o amor de nossa vida, porque às vezes o amor não é tudo que existe.
Às vezes você quer uma casinha no campo com três filhos e ele quer uma vida profissional agitada na cidade. Às vezes você tem um mundão inteiro para explorar e ele tem medo de sair de seu próprio quintal. Às vezes você tem sonhos maiores que os de seu amor.
Às vezes a coisa mais generosa e amorosa que você pode fazer é deixar seu amor ir embora.
Outras vezes, você não tem escolha.
Mas há outra coisa que as pessoas não lhe dizem sobre encontrar o grande amor de sua vida: o fato de você não passar o resto de sua vida com essa pessoa não diminui a importância dela.
Algumas pessoas você pode amar mais em um ano do que poderia amar outras pessoas em 50 anos. Algumas pessoas podem lhe ensinar mais em um único dia que outras poderiam lhe ensinar durante uma vida inteira.
Algumas pessoas entram em nossa vida apenas por um período específico, mas têm um impacto que ninguém mais jamais poderá igualar ou substituir.
E como podemos deixar de chamar essas pessoas de qualquer outra coisa senão o grande amor de nossa vida?
Quem somos nós para minimizar sua importância, reescrever suas memórias, alterar as maneiras em que elas nos mudaram para melhor, apenas porque acabamos seguindo caminhos diferentes?
Quem somos nós para decidir que precisamos a todo custo substituí-las – encontrar um amor maior, melhor, mais forte, mais apaixonado que possamos agarrar por toda a vida?
Quem sabe devemos simplesmente sentir gratidão por termos podido conhecer essa pessoa, em primeiro lugar.
Por ter tido a oportunidade de amá-la. Ter podido aprender com ela. Porque nossas vidas puderam crescer e florescer porque a conhecemos.
Conhecer o grande amor de sua vida e deixá-lo ir embora não precisa ser a maior tragédia de sua vida.
Se você permitir, pode ser sua maior bênção.
Afinal, algumas pessoas nunca chegam a conhecer seu grande amor."



quarta-feira, 17 de maio de 2017

Você já não é a paz dele,

Eu sei que você sabe que, na verdade, ele não te ama. Todo mundo sabe. Eu que sei que você vê as suas amigas te olharem com pena cada vez que você chora por mais uma mancada que ele deu e se sente ainda pior por encenar esse papel patético que não combina com a mulher forte e independente que você era. Eu sei que você sabe o que elas pensam enquanto você desaba em mais um choro mudo. Ele não te merece, você sabe. Todo mundo sabe. Ele nunca te mereceu. Eu sei que você molha seu travesseiro esperando por uma ligação no meio da noite, só o tempo suficiente dele dizer que precisava ouvir sua voz pra ter paz no coração. Eu sei que você sabe que ele não vai ligar. Ele não quer ligar. Ele não quer, porque você não é a paz dele. Eu sei que você sabe que, no fundo, ele também não é a sua. Eu sei que você enxerga a mesma história que eu. Um romance fracassado, arruinado, remendado. Eu sei que você sabe que não dá mais, faz muito tempo que vocês já não dão em nada, mas cê continua insistindo em arrumar o que já não existe mais. Continua criando desculpas pra ficar. Eu sei que você sabe que existem outros caras no mundo e que ele não vai ser seu único amor, mas você não consegue deixa-lo ir, mesmo sabendo que é o que ele quer, mesmo com todo mundo sabendo que é o que ele quer. Você o agarra e implora e chora e grita e se despedaça pra que ele fique, mesmo sabendo que isso não vai durar pra sempre. Mesmo sabendo que já não dura mais. Eu sei que você sofre e tem vontade de sair correndo e que sente o seu coração quebrado e que isso dói. Eu sei que você queria que fosse ele, não como um desejo de uma menina mimada, mas porque você o amou com toda a sua força e achou que ele fosse te amar também, mas não deu. Nem sempre dá. E amor, quando é via única, arde e aperta e fere. Você está ferida. Eu sei, você sabe, todo mundo sabe. Você sangra e esconde os arranhões que coleciona como se ninguém conseguisse ver. Você sorri tentando disfarçar o quanto sua alma chora. Eu sei que você atua nesse espetáculo esperando que o mundo atue também e acredite no seu teatro, mas eu tenho uma péssima notícia pra te dar: as cortinas já fecharam e o público está indo embora, ninguém aguenta mais essa história toda. Nem você.

RAB

Foi um lindo amor, pena não sobreviver

Bom te ver e saber que já não dói, que ainda te amo, e que o amor é luz. Bom te ver ver, bonito, tranquilo. Bom te ver. Bom saber que feridas cicatrizam, que o tempo passa, e que um dia vai voltar a ser como era antes, nos cumprimentaremos, conversaremos sobre a faculdade, sobre o peso, sobre o mundo. Nós ficamos parados no tempo, nosso tempo passou. Já não lamento meus erros, os seus, o rompimento. Já não lamento, sinto saudade. O frio na barriga é só porque ainda te amo, não mais pelo medo de não te ter ao meu lado. Quando a gente entende o amor, compreende que a posse não significa nada. 

terça-feira, 16 de maio de 2017

People don't change

"Apesar de todas as loucuras que fiz, era perfeitamente normal. Escolhi fazer as coisas, não foram elas que me escolheram!"

CB

domingo, 14 de maio de 2017

A gente aprende,

Relacionamento é pra ter paz, sexo, amor, fidelidade, carinho, comprometimento, fé, parceria. Pra ter briga sim, ter rotina, ter stress, ter ciúmes, mas de uma maneira que não desgaste, não machuque, não fira. Eu demorei 3 relacionamentos pra entender que respeito e companheirismo se constrói, a dois, dia após dias. Se você não confia no seu amor, a ponto de não contar pra ele como gosta de dormir, de acordar, de transar, isso não é amor, é comodismo. Eu já achei que amei e não era amor. Já achei que não era, e perdi o homem da minha vida. Amor é intimidade, é autonomia, é ter o sexo e sentimento no mesmo ser. Muito me espanta essas pessoas que suprem suas necessidades com pessoas diferentes, que criam a expectativa de amor no outro, e não a alimentam. Eu confiei que íamos ficar juntos porque tivemos a sorte de encontrar o sentimento, o corpo e a expectativa na mesma pessoa. Mas encontramos em tempos diferentes, e o tempo é crucial no amor. Só com ele somos capazes de entender o que vale a pena ser alimentado, e o que merece ser destacado. Hoje, só peço a Deus que abençoe meu próximo amor, que ele chegue com o tempo certo, com um corpo que encaixa no meu, para que juntos, possamos construir um lar. Depois que eu entendi o amor que eu sinto por mim, me tornei capaz de entender o amor que senti por ele, e seguir em frente. E saber que ainda existe a possibilidade de encontrar outro alguém à altura de tudo que posso sentir, me encoraja. Move on.

ROT



Essas palavras que eu escrevo, me protegem da completa loucura.