➸ Mulher Vermelha ♥

Cada vez que escrevo um bom poema é mais uma moleta que me faz seguir em frente.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

tcesp

Foi bonito, foi bom, foi feliz. Parece que Deus sabia que eu ia cair algumas vezes nestes últimos dois anos, literal e figurativamente falando. E eu cai, mas estava bem amparada. Foram dois anos de aprendizado, de luta, de reconhecimento de mim mesma neste caminho chamado vida. Alguns amores rompidos, amizades construídas e também fluídas, sonhos realizados, sementes plantadas. Meu coração é grato a Deus por finalmente encerrar um ciclo de maneira graciosa e em paz. As lágrimas que banharam meu rosto hoje foram de alegria e sentimento de dever cumprido. O que teria sido daquela Renata que entrou com os sonhos destruídos, o coração confuso e o corpo doente se no caminho não tivesse encontrado esse refúgio? Gratidão. Um dia eu volto.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

solidão a dois de dia, faz calor depois faz frio ♫

estranho mesmo é encontrar-se sozinho estando rodeada de pessoas. no final, é só você com você mesmo, as pessoas não conseguem ouvir e serem imparciais, nem mesmo os amigos íntimos, o amor, a família, todo mundo vai pender pro lado próprio. e o seu? vai ficar sozinho. teus sonhos, tuas convicções, a sua mera necessidade de conversar sobre alguma coisa. aos poucos você comprova que é melhor sofrer e resolver seus conflitos internos sozinha, sem ninguém pra dar palpite. uma pena é que a nossa vida é social, e não da pra resolvermos tudo por nós mesmos. um dia quem sabe, as pessoas usarão a empatia pra tentarem ser melhor, ou eu seja só mais uma louca que não entende os outros também, e ainda, no pior dos casos, quem sabe eu não aprenda a lidar com toda essa indiferença também.

Renata.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

2018

2018 nem começou e eu já to cheia de medos, de anseios, e morrendo de ansiedade por 2019. Mas, se teve algo que aprendi com toda a crise de 2017, com os remédios, com a dor, e com a agonia dos meus planejamentos não darem certo foi: senta e respira. Hoje é meu dia de respirar, de pensar 2018, de reconhecer os meus limites e aceitar apenas as cargas que eu posso carregar. Porque não, Deus não vai me dar costas mais fortes se eu sair pensando que posso ser dona do mundo. E obrigada Deus por me fazer enxergar isso. Um clico difícil se encerra este mês, e ao mesmo tempo em que a satisfação de ter conseguido me atinge, o medo do que fazer agora me transborda. Que 2018 seja de frutos colhidos e de sementes regadas com amor e suor. A vida começa agora.

renatinha

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

lar

Tem dias que a gente só quer um abraço, uma sopa quente e um bom banho. Tem dia que a gente só quer ser recebido pra poder esquecer do dia nem sempre ruim, mas difícil. Tem dia que eu só queria não ser só eu com meus problemas. Sabedoria pra entender que nem sempre as pessoas compreenderão seus dias ruins, sabedoria pra não se machucar com isso. Tá chovendo lá fora e eu nem se quer reconheço este lugar. Que falta faz um lar, que falta faz um abraço. 

Rezinha.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Eu entrei aqui vó e senti você, D. Maria. Você nem imagina a saudade que da, e como meu coração daria tudo para você estar aqui com seu vestidinho de malha, seu chinelo de dedo, seu frango com pimenta delicioso. Daqui um ano eu venho pra cá realizar um sonho lindo, e você não estará aqui pra me abençoar e pra dar todos os conselhos que uma moça do lar deve saber. Apesar dessa distancia tão absurda e tão dolorosa, sou grata por toda a herança que você me deixou, e que não envolve uma doleta sequer. Obrigada por ter me dado uma família, um lar e um lugar pra voltar. Obrigada pelo padrinho que eu tenho, pelo pé de seriguela e mangueira que será o altar do meu dia. Obrigada pelas lembranças e pelo desejo de perpetuar o amor e o zelo pela família. Sem você, sem este alicerce, meu sonho seria apenas um fato. E você gostaria tanto dele, ele joga baralho e até curte aquela sua branquinha mineira. Ele ia amar seu frango apimentado. E eu só espero ter uma família linda igual a sua, com todos os defeitos do mundo, mas que fique pra história. Eu te amo vó, tô sentindo tanto a sua falta. 

Renata 

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

dez anos.


2017.
10 anos de mulher vermelha.
Tanta coisa mudou.
O batom vermelho agora é nude., o all star com de sangue agora é um branco surrado.
Há 10 anos meu coração sofria as ansiedades de uma adolescente que ansiava o melhor da vida. Cubas livres escondidas, livros, um desejo imenso de se enfiar num apartamento no centro. Com muito sol, e muito whisky. Amei algumas pessoas nesse meio tempo, alguns amigos que já não estão ao meu lado, alguns lugares que achei que seriam eternos. Eu fui algumas Renatas em 10 anos. A adolescente inocente, depois a apaixonada, a revoltada. A jovem cheia da razão, e agora, a que busca desconstruir tudo de errado e certo, e ter um caminho feliz. 10 anos depois o sonho está aqui, um apartamento no centro, algumas garrafas de vinho na geladeira, o melhor sexo do mundo comigo, e o amor da minha vida ao meu lado. A Renata adolescente sonhava em sofrer as dores que sentia naquele quarto iluminado e ébrio. A Renata de hoje tem a certeza de que viverá os momentos mais alegres e completos neste dia. Obrigada 2017, por tudo que levou, e por tudo que trouxe. Você me preparou pro melhor e pro pior de mim, e me fez aceitar que o amor não dói, como eu sempre imaginei. O amor abre portas, possibilidades, alegrias. O amor tem realizado todos os meus sonhos. Gratidão aos passos que dei, aos tombos, aos amores, à família, aos amigos. Gratidão pelo ano em que meus sonhos se tornaram realidade.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Amor é,

Amor é construir, é brigar pra fazer as pazes, compreender, chorar pelas decepções do caminho, mas mais ainda pela alegria das pequenas conquistas. Amar é acordar e ter a certeza de que a pessoa que está ao seu lado te transcende, é dormir e ter a certeza de que ali está o seu abrigo. O amor não é feito só de felicidades. Construir uma história, compartilhar duas vidas totalmente diferentes e caminhos tão opostos gera dor, gera conflito, gera mudanças que transformam o coração de cada um. Estas pequenas dores, pequenas decepções, pequenas vontades de largar tudo e sair correndo, só fortalecem ainda mais a certeza de um sentimento que é verdadeiro, que é feliz, mas que é real e tem suas dificuldades. Amar é saber que o coração do outro também sente, e cuidar dele, como se fosse o seu. 

"O teu coração é mais importante que o meu", te amo.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Gratidão

Querido,

Olha, quando você realmente se foi, quando a coisa acabou e vi nosso amor desacontecer, eu quase sofri. E digo quase porque sempre soube que nossa história estava fadada ao fracasso. Não porque isso era óbvio para todos que tinham olhos de ver e ouvidos de ouvir, não só por isso, ou pela infinita diferença que nos separa tão clara, tão grande. Eu digo quase sofri porque o tempo todo ao seu lado eu morria um pouco, e ressurgia outra do lado de cá. Mas eu falo no quase, não por ter sido um quase amor, porque não foi, foi amor dos bons, quente e lindo como eu esperava, eu digo quase sofri porque sabia que não era pra ser um tanto mais, porque um tanto mais me aguardava. 

Você entende? Alguma coisa aqui dentro sabia que não era possível, porque logo depois viria algo melhor, algo maior, algo mais doce, mais fundo, mais intenso, mais verdadeiro. Algo de inconfessável, algo de inacreditável. Então eu quase sofri você entende? De forma egoísta te considerei uma espécie de preparação, uma espécie de adubo pra ver algo belo crescer, que não era você. Não, não estou te chamando de merda, mas também poderia, então te chamo de base, a primeira demão dessa parede bacana que tenho pintado.

Mas você foi absolutamente necessário, entende? Eu sei que pareço egoísta, mas não sou. Ou sou se você quiser, porque agora, realmente já não importa. Porque sabe, em nenhum momento eu acreditei nas suas mentiras. Mentira, em algumas eu acreditei, mas por momentos tão breves, bom, você sabe, você mente mal, mas você mente tanto que cria, praticamente uma realidade paralela e causa aquela estranha impressão de que alguém é louco na história. Tem tom de esquizofrenia, de fantasia, de alegoria. Mas no fim das contas a coisa mesma não passa de sacanagem. Daquelas boas e velhas. E eu? Sim eu sempre soube, mas foi uma situação absolutamente necessária para mim. Assim, simples e rasa, mas essencial e reveladora.

Não, porque nem todas as situações transformadoras são resultado de revelações luminosas e profundas, às vezes um pilantra e um belo pé na bunda podem fazer milagres para uma mulher inteligente. E você teve essa função. O tempo todo eu sabia que nada daquilo seria e que depois de você algo muito bom aconteceria.

Essa mania que inventei de confiar no que não vejo, mas sinto que o vento traz. E eu sabia que entre nós dois a coisa sempre foi uma espécie de preparação. E hoje eu só posso agradecer, não sei bem a quem, ao que, enfim, mas o que veio depois de você é tão, tão...? 

Difícil dizer, daquele tipo de coisa que não encontramos palavra exata. Alguma coisa entre o mistério e o sublime, entre o muito e o simples entre tantas coisas que você não entenderia. Foi por isso que quase sofri, porque desde sempre percebi que, fundamentalmente, o que nos separava e sempre foi abismo entre nós é uma questão de força e coragem. A mediocridade sempre fez com que você nunca partisse, mas também nunca viesse. Sua casa foi construída sobre um muro. Mas agora preciso te dizer adeus e te agradecer por ter sido tão miserável, só assim estou tendo hoje o que tenho. Você me preparou para esse novo amor. Mágico.

Obrigada.


by: Andréa Beheregaray.



Essas palavras que eu escrevo, me protegem da completa loucura.